Mergulhadas na fase diocesana do Sínodo 2023 prevista para acontecer até agosto de 2022, cada Igreja Particular no Brasil vai encontrando a melhor forma de realizar a escuta do Povo de Deus que vive em sua circunscrição. A 16ª Assembleia Ordinária do Sínodo dos Bispos, com o tema “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”, convocada pelo Papa Francisco, será realizada em outubro de 2023.

O Povo de Deus, em todo o globo, está convocado a participar, indicando quais caminhos a Igreja deve seguir para viver um renovado ardor missionário, atualizando sempre mais as suas estruturas, funcionamentos e Assembleia ações. Esse caminho sinodal de três anos é articulado em três fases (diocesana, continental, universal), feito de consultas e discernimento, que culminará com a assembleia de outubro de 2023, em Roma.

Para que o Sínodo arquidiocesano aconteça é preciso a participação de todas as paróquias e comunidades. Em cada uma dessas realidades eclesiais existem necessidades e situações particulares. E é nesse contexto que a participação de pessoas com deficiência também é importante, porque ajudará as comunidades a rever as suas estruturas e a sua capacidade de acolhida.

Algumas dioceses já fizeram um belo caminho de inclusão das pessoas com deficiência no processo sinodal, abrindo espaço para acolhê-las e evangelizá-las, respeitando as diversas necessidades. Uma delas é a diocese de Guarapuava, no Paraná (PR), que promoveu lives formativas sobre o Sínodo dos Bispos, em janeiro, com interpretação em libras.

A interpretação em libras

Em entrevista ao portal da CNBB, Jorge Teles, jornalista na Rádio Cultura de Guarapuava PR e membro da Comissão de Comunicação da diocese, apontou que o Sínodo por si só “nos inspira à inclusão e que as falas do Papa Francisco motivam para que mais e mais pessoas estejam incluídas”. E foi nesse sentido, de acordo com ele, que a diocese de Guarapuava decidiu incluir traduções em libras nas lives formativas do Sínodo.

Ele explica que a diocese produziu quatro lives formativas. “A terceira e a quarta foram com tradução simultânea em libras. Nas duas primeiras não foram possíveis, mas nós estamos num processo de reedição desse material, com o apoio da Pastoral dos Surdos, para incluir a interpretação também nessas duas primeiras lives. Depois, todo esse material ficará disponível no Youtube oficial da diocese“, explica.

Jorge falou que, a princípio, a atitude era algo simples e pequena, mas que era feita com muito carinho e com a vontade de incluir mais e mais pessoas no dia a dia da Igreja.

Live sobre inclusão eclesial

Já a professora Simone Golinhaki e a leiga Beatriz Golinhaki, que participaram e organizaram a quarta live, com o tema “Inclusão Eclesial – Como as pessoas com deficiência física e psíquica podem ser incluídas no Sínodo?”, explicaram como se deu o processo de organização da iniciativa.

“Primeiro convidamos leigos e leigas que trabalham com pessoas com deficiência, na sequência, buscamos líderes de associações que atuam nessa área e que pudessem estar conosco. Também chamamos leigas que são atuantes em pastorais e movimentos e que são mulheres com deficiência, para estar conosco num encontro de preparação para essa live e, posteriormente iniciamos essas discussões, fazendo a live”.

Ambas afirmaram que, se uma Igreja sinodal é aquela que acolhe e inclui, não teria como falar sobre inclusão e anticapacitismo sem estar com os irmãos e irmãs que vivem essa caminhada no seu dia a dia. Para elas, a live foi “um primeiro passo”, pois agora irão desenvolver trabalhos dentro da caminhada sinodal, para identificar os obstáculos físicos, emocionais, sociais e espirituais que as pessoas com deficiência enfrentam nas comunidades e, por muitas vezes, não são acolhidas, ouvidas, reconhecidas e inseridas na caminhada pastoral.

As lives

• A primeira live teve como tema “O que é o Sínodo dos Bispos? Qual a proposta do Sínodo 2021-2023?”. Os convidados que abordaram a temática foram o bispo diocesano dom Amilton Manoel da Silva e José Lima, do CNLB de Guarapuava:

• A segunda live teve como tema “Sínodo e Sinodalidade: uma oportunidade de Renovação”. Os convidados foram o padre José Vitor, da Paróquia Divino Espírito Santo de Pinhão-PR, e padre Zdzislaw, da Paróquia Sant’Ana de Pitanga-PR.

• A terceira live teve como tema “Sínodo 2021-2023: Reflexões sobre o processo de Escuta (Questionários)”. O convidado para abordar a temática foi o Seminarista Gelson, da etapa do discipulado.

• A quarta live teve como tema “Inclusão Eclesial – Como as pessoas com deficiência física e psíquica podem ser incluídas no Sínodo?”. Os convidados que abordaram a temática foram a professora Simone e a leiga Beatriz Golinhak.

(Fonte: Portal CNBB)

LITURGIA DIÁRIA

Últimos Posts