A catequese não se tornou “on-line” nem “educação da fé a distância”, mas tem buscado formas de estar próximo aos catequizandos e suas famílias

A Pastoral da Catequese, assim como todas as pastorais da Igreja, teve suas atividades suspensas devido à pandemia do Coronavírus. O itinerário catequético em 2020, que mal iniciou no mês de fevereiro/março, precisou ser interrompido, afim de proteger a vida dos catequizandos e catequistas.

A impossibilidade dos encontros, no entanto, fortaleceu uma das características já muito presente na catequese: a criatividade. Catequistas de todo o estado do Paraná estão empenhados em se fazer próximos dos catequizandos e de suas famílias, ajudando-os na edificação de uma igreja doméstica.

Os meios de comunicação, especialmente as redes sociais, tem sido um instrumento aliado nessa missão catequética. Catequistas têm se feito próximos por meio do envio de mensagens, proposta de atividades, de roteiros de oração, de momentos de encontro virtual, de orientações de como participar das missas pela internet.

Iniciativas em algumas dioceses

Na diocese de Paranaguá, por exemplo, Anette Cristina de Araújo Alberti, que participa da equipe diocesana, conta que, desde o início da pandemia, organizou várias atividades para os catequizandos. “O resultado foi super bacana. Estamos tendo um excelente retorno das catequistas, catequizandos e familiares também. Eu fiz um mural virtual de atividades da catequese para todos os dias, desde que iniciou a pandemia. Atividades dentro do ano litúrgico, atividades que envolvessem eles e as famílias. Tudo com o objetivo de manter eles em oração, em contato com a família. Pesquisando, lendo, desenhando”, relatou Anette.

Um exemplo concreto da diocese de Paranaguá, foi a preparação para celebrar o domingo da misericórdia, que aconteceu dia 19 de abril. Os catequizandos foram incentivados a pesquisar sobre as obras de misericórdia espirituais e corporais, sobre o terço da misericórdia, a história de Santa Faustina e produzir materiais em desenho, texto, vídeo. As catequistas se surpreenderam com o empenho dos catequizandos.

Padre Élmes

Na diocese de Jacarezinho, a pastoral da catequese está empenhada em ajudar as famílias a viver o que tem sido proposto na diocese, como participar das missas transmitidas pelas redes sociais e utilizar o subsídio elaborado para as famílias viverem a oitava da Páscoa. Além disso, em cada paróquia, os catequistas têm buscado formas de se fazerem próximos e ajudarem os catequizandos a cultivar a fé nesse período.

O Padre Élmes Xisto Meira, assessor diocesano da catequese, reforça que essas são formas da catequese se fazer presente, se fazer próxima, mas que não substitui, de forma alguma, o itinerário catequético, que necessita do encontro. “Essas atividades não passam pelo itinerário catequético, nem poderão ser cobradas posteriormente. É nossa saída em direção a eles, pois muitos têm uma vida de Igreja e sentem a falta. A ideia é mais para estar próximo das famílias, de estar junto. São momentos celebrativos oferecidos pela catequese e não encontros de catequéticos on-line”, ressaltou Padre Élmes.

O mesmo tem acontecido na diocese de Apucarana. Catequistas se empenham na tarefa de ajudar as famílias a viver a fé no período de isolamento social. No período da Semana Santa, a coordenação diocesana enviou uma orientação aos catequistas: “Orientem para que repassem nos grupos de catequese os horários das celebrações que serão transmitidas pelas mídias em sua paróquia. Seria bastante interessante que alguns catequistas gravassem vídeos ou produzissem textos explicativos sobre as celebrações que teremos nessa semana tão especial. Mas tudo o que será publicado deverá ser visto pelo seu pároco para que ele possa fazer correções e aprove”.

Os resultados foram muito positivos, segundo explicou a coordenadora diocesana, Virgínia Feronato: “Diversas paróquias produziram vídeos explicativos e desafiavam os catequizandos a relatarem suas experiências em família, usando os símbolos sugeridos e participando intensamente das atividades da paróquia nos seus respectivos canais. Acredito que a catequese em família ficou mais produtiva que nunca. A criatividade está sendo grande em quase todas as paróquias, usando encontros com hora marcada, vídeos gravados com temas escolhidos pelos catequistas, que são enviados para todos os grupos”.

Orientação regional

A coordenação da Pastoral Catequética do Regional Sul 2 da CNBB tem acompanhado e orientado as coordenações diocesanas sobre como proceder nesse período. Encontros e reuniões presenciais do primeiro semestre foram suspensas, mas reuniões virtuais continuam a ser realizadas.

Em carta emitida nessa segunda-feira, 20 de abril, a coordenadora regional da catequese, Débora Pupo, escreveu que tem acompanhado as experiências partilhadas sobre a ação catequética durante a pandemia, mas pediu para que os catequistas sejam bem orientados pois, “não se trata de “Catequese on-line”, nem de “Educação da Fé à distância”. É um momento especial em que podemos chegar aos catequizandos e suas famílias com breves reflexões, momentos de oração. Utilizando dos recursos virtuais à nossa disposição”.  

(Karina de Carvalho – Assessora de Comunicação da CNBB Sul 2)

LITURGIA DIÁRIA

Últimos Posts