A família Esser, da diocese de Toledo (PR), chegou ao Brasil na manhã desta segunda-feira, 20 de julho, após seis meses de missão no país da Guiné-Bissau, na África

O casal Moacir e Gilsemira com seu filho Márcio desembarcaram no aeroporto internacional de Guarulhos (SP) na madrugada do dia 20 de julho, onde foram acolhidos pelo padre Neimar Troes, pároco da Paróquia São Roque, em Nova Aurora (PR), a qual a família pertence.

Gilsemira, Márcio e Moacir

Enviado com a missão de colaborar na construção da escola da Missão São Paulo VI, na Guiné-Bissau-África, seu Moacir, que é mestre de obras, viajou com a família no dia 12 de janeiro, com a previsão regressar em abril. Porém, devido a pandemia do Coronavírus, eles precisaram permanecer por mais um tempo. Uma mudança de planos que foi acolhida com muita fé por toda família.

“Eu encarei com muita naturalidade, só um pouco apreensivo por não saber o dia e a hora em que poderíamos voltar. Mas enquanto tinha trabalho para mim, eu estava tranquilo. E estávamos bem, tínhamos alojamento, alimentação, a convivência fraterna, tudo. Encarei também com espírito de obediência a Deus e à Igreja, pois desde que aceitei o convite para ir, eu entreguei-me nas mãos de Deus”, contou Moacir.

Segundo Moacir, com os seis meses doados à missão, foi possível avançar mais do que ele havia previsto na construção da escola. O primeiro dos três pavilhões ficou coberto, com a instalação elétrica pronta e o piso aterrado.

Acolhida da Paróquia São Roque e da Igreja do Paraná

Ao chegarem em Nova Aurora (PR), perto das 18 horas, era o momento da oração do terço das “Mães que oram pelos filhos”, na Paróquia São Roque. Então, Padre Neimar convidou a família para passar na igreja e agradecer a Deus pela viagem, surpreendendo-os com a recepção da comunidade que os aguardava no pátio da igreja, respeitando as recomendações sanitárias de higiene e distanciamento. “Para nós, essa recepção nos encheu de alegria, pois fomos muito bem acolhidos com o carinho e a oração da comunidade que sempre rezou por nós”, contou Gilsemira.

No final de 2019, ao saber da necessidade de alguém para colaborar na construção da escola, Padre Neimar Troes, que é missiólogo e um dos idealizadores dessa Missão da Igreja do Paraná na Guiné-Bissau, levou a questão ao Conselho Pastoral Paroquial (CPP), que foi unânime em indicar a família Esser. “O Moacir e a Gilsemira tem um histórico de trabalhos na paróquia São Roque, um trabalho de dedicação. Ele tem a experiência de mestre de obras e trabalha diretamente para a paróquia através da dimensão social, construindo casas para as pessoas carentes. Diante disso, eu fui até o Moacir e lhe fiz a proposta, que foi acolhida de imediato”, contou Padre Neimar.

Ao enviá-los para a Missão, Padre Neimar, como pároco, além da responsabilidade espiritual e moral pela família, assumiu a responsabilidade jurídica e civil. O Moacir e a Gilsemira são funcionários da Paróquia São Roque e, para poderem dedicar esses meses à Missão, precisaram se ausentar do trabalho. Por isso, o retorno da família foi motivo de alívio e muita alegria tanto para o pároco, quanto para a comunidade: “Foi um momento de muita emoção e alegria. A paróquia se mobilizou para o retorno deles em Nova Aurora, mesmo quem não pode estar presente, devido à pandemia. Só temos que louvar e agradecer a Deus por esse momento de retorno e de alegria por fazer parte dessa história da Igreja do Paraná”, relatou padre Neimar.

Na tarde de terça-feira, 21 de julho, Moacir, Gilsemira e Márcio receberam as boas-vindas oficiais em nome da Igreja do Paraná, por meio de uma reunião online com o secretário executivo da CNBB Sul 2, Padre Valdecir Badzinski, com o coordenador do COMIRE, Odaril José da Rosa, com a colaboradora responsável pela dimensão missionária do regional, Raquel Bach, e com a assessora de imprensa, Karina de Carvalho.

Em reunião online, a família Esser foi acolhida pela CNBB Sul 2

Na conversa, que durou cerca de uma hora, os missionários partilharam sobre as experiências que viveram com alegria, espírito de confiança e entrega à vontade de Deus. Padre Valdecir disse que, a partir de agora, a família será uma referência na dimensão missionária na Igreja do Paraná e contará muito com ajuda deles, reiterou também que, passando a pandemia, irá encontrá-los para celebrar e agradecer juntos a Deus por todo o bem realizado na missão.

Despedida na Guiné-Bissau

Os seis meses de missão na Guiné-Bissau, certamente, marcaram não só a vida da família, mas também do povo guineense. Nas paredes da escola, em cada gesto de doação, na partilha das alegrias e das dificuldades, eles serão sempre lembrados.

No dia 28 de junho, o bispo de Bafatá, na Guiné-Bissau, Dom Pedro Carlos Zilli, presidiu uma missa na capela da casa da Missão que marcou a despedida da família. Um momento de muita emoção e gratidão a Deus por todo bem realizado por eles. Para os missionários que permanecem na Missão, o período que eles integraram a comunidade também foi marcante. “Vocês chegaram aqui como nossos colegas e voltam como nossos amigos e irmãos”, testemunhou Pércio Pereira, reitor da Missão.

Confira no vídeo como foi a missa de despedida da família.

(Karina de Carvalho – Assessora de comunicação CNBB Sul 2)

LITURGIA DIÁRIA

Últimos Posts