Ainda em 2023, dom Sergio comemora outras três datas importantes: os 20 anos como bispo de Ponta Grossa, os 50 anos de sacerdócio e os 75 anos de vida.

Nesta sexta-feira, 14 de abril, o bispo de Ponta Grossa (PR), dom Sergio Arthur Braschi, completa 25 de anos de ordenação episcopal. Ele foi nomeado pelo Papa São João Paulo II, no dia 18 de fevereiro de 1998, para bispo auxiliar de Curitiba e foi ordenado no dia 14 de abril do mesmo ano, na Catedral Nossa Senhora da Luz, em Curitiba. Para bispo diocesano de Ponta Grossa (PR), ele foi nomeado no dia 16 de julho de 2003, tomando posse no dia 05 de setembro de 2003. Seu lema episcopal é “Vida, Doçura e Esperança”, baseado na oração da “Salve, Rainha”, onde a Virgem Maria é exaltada com essas palavras. 

Comemoração do Jubileu de Prata 

Dom Sergio optou por celebrar a data junto de seu diretor espiritual, o Monsenhor Hamilcar Mota da Silveira, em Mossoró (RN), que completou no dia de ontem (13), 65 anos de sacerdócio. Dom Sergio participou da celebração em homenagem ao Monsenhor Hamilcar, em missa presidida pelo bispo de Mossoró, Dom Mariano Manzana. “O Monsenhor Hamilcar é uma pessoa muito importante na minha formação. Passava lá minhas férias, dois meses, servindo como missionário”, comentou Dom Sergio.  

No dia de hoje, às 17h, dom Sergio preside uma missa em ação de graças pelos seus 25 anos de episcopado, na Catedral Santa Luzia, em Mossoró (RN). Ainda em 2023, dom Sergio comemora outras três datas importantes: os 20 anos como bispo de Ponta Grossa, os 50 anos de sacerdócio e os 75 anos de vida. A diocese de Ponta Grossa está preparando comemorações e homenagens para celebrar o dom da vida e da vocação de dom Sergio.  

Carta do Papa Francisco 

Por ocasião do jubileu de Prata episcopal, dom Sergio recebeu, por meio de uma correspondência, os cumprimentos Santo Padre, o Papa Francisco. O Documento, redigido em latim, em papel timbrado com o brasão do pontificado do Papa Francisco, felicita o bispo pela sua “exímia dedicação pastoral, exercida diligentemente nos diversos encargos, seja como pregador enérgico e suave da exigente obra do Evangelho”, conforme cita o texto. O brasão papal aparece novamente no final da carta, onde é chancelada em alto relevo e assinada pessoalmente pelo Papa Francisco. A seguir a íntegra da carta.  

Ao venerável irmão
SERGIO ARTHUR BRASCHI  
Bispo de Ponta Grossa

Que está comemorando seu jubileu de prata de Ordenação Episcopal, e em breve celebrará cinquenta anos do Sacerdócio recebido em sua Arquidiocese Natal de Curitiba, FELICITAMOS, lembrados de sua exímia dedicação pastoral, exercida diligentemente nos diversos encargos, seja como pregador enérgico e suave da exigente obra do Evangelho, seja como dispensador fiel dos mistérios do Pai, dotado de grandes qualidades humanas, sacerdotais e musicais. No momento em que referimos todas essas graças, de coração lhe concedemos a Benção, a ele, ao seu clero, aos fiéis e pessoas próximas, suplicando preces por nosso ministério Petrino.  

Dado em Roma, junto ao Palácio Laterano, dia 24 de março do ano de 2023.  

FRANCISCO 

Biografia de Dom Sergio Arthur Braschi 

Dom Sergio Arthur Braschi nasceu em Curitiba, aos 03 de dezembro de 1948, segundo de sete filhos do casal Acyr Arthur e Maria Leopoldina Santanna Braschi. Foi batizado na Paróquia São Francisco de Paula, no dia 8 de dezembro. Bem cedo apareceram sinais de vocação ao sacerdócio no menino que ia, quase diariamente, rezar e treinar os dedos no piano da Igreja. 

Testemunho vocacional publicado em 1º de junho de 2018.

Cursou os primeiros anos do primário no Grupo Escolar “19 de Dezembro”, ingressando a 17 de fevereiro de 1959, no recém-inaugurado Seminário Menor São José, Colônia Nova Orleans. Aí terminou o primeiro grau e cursou o segundo grau, de formação clássica. 

Passando ao Seminário Maior Rainha dos Apóstolos, de 1967 a 1969 cursou filosofia na Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Em setembro de 1969, foi para Roma, onde cursou teologia, na Pontifícia Universidade Gregoriana. Por três anos foi aluno do Colégio Pio-Brasileiro, emprestando a alegria do seu violão às festas da comunidade longe da pátria. Nas férias de verão, amadureceu no trabalho braçal em terras da Alemanha, como servente de pedreiro e em fábrica de automóveis. 

Conquistado o Bacharelado em teologia, voltou ao Brasil iniciando um trabalho missionário no Nordeste – ainda seminarista – que se repetiria durante vários anos seguidos: já sacerdote, de 1973 a 1986, por 14 vezes passou férias nas dioceses de Mossoró (RN) e Cajazeiras (PB), ajudando o amigo, Pe. Hamílcar, nas paróquias e capelas do sertão nordestino. Aí, além de dois títulos de Cidadão Honorário, recebeu a alcunha de “Padre Cantador”. 

Ordenado sacerdote a 8 de julho de 1973, por Dom Pedro Fedalto, na mesma Paróquia onde fora batizado, crismado e fizera a primeira comunhão, teve a alegria de ser apresentado por seus pais e irmãos, padrinhos de Batismo e de Crisma, e pelo padre que o batizara, Monsenhor Boleslau Falarz. 

Enquanto padre, exerceu várias funções na arquidiocese de Curitiba: vigário paroquial, diretor espiritual, reitor e professor no seminário, membro do Conselho Presbiteral, como também do Colégio de Consultores da arquidiocese. Foi, também, por alguns anos, presidente da Organização dos Seminários no Paraná (OSIB).  

Em 1986 voltou a Roma, onde fez o Mestrado em Teologia Dogmática, com tese na área eclesiológica, na Pontifícia Universidade Gregoriana. Ao mesmo tempo, aprimorou os dotes musicais com o Curso de Música Religiosa na escola de música: “Ludovico da Victoria”. 

Em 18 de fevereiro de 1998 foi nomeado bispo auxiliar da arquidiocese de Curitiba pelo Santo Padre João Paulo II, e sagrado no dia 14 de abril de 1998, na igreja Catedral de Curitiba. No dia 16 de julho de 2003, foi nomeado bispo diocesano de Ponta Grossa, tomando posse no dia 05 de setembro de 2003. 

(Fonte: Assessoria de Comunicação da diocese de Ponta Grossa – PR)

LITURGIA DIÁRIA

Últimos Posts