41354

Do dia 29 ao dia 31 de janeiro, aconteceu em Pitanga, na Casa de Formação São José, a Primeira Escola Catequética da Diocese de Guarapuava. Cerca de 70 pessoas participaram de palestras, apresentações de projetos, discussões em grupos, orações e estudos por decanato, atividades estas que nortearam os trabalhos durantes os três dias. Na ocasião, também foi apresentado o projeto Missão Palavra e Pão, que visa arrecadar fundos para tradução e confecção de vinte mil bíblias que serão usadas na catequese da Guiné Bissau, país africano que figura entre os mais pobres do mundo.

A campanha Missão Palavra e Pão do Regional Sul 2 da CNBB terá início em março e os catequizandos, de acordo com a gênesis do projeto, serão os grandes disseminadores da ideia.

Cada catequista entrega ao aluno um folder. Neste folder, além de textos e imagens explicando sobre a Missão, também há espaço para que dez pessoas de conhecimento do catequizando façam doações de algum valor a partir de um real. Este recurso, no entanto, farão o caminho inverso, retornando novamente pelo catequista, chegando às Paróquias, passando pela Diocese e, por fim, ao Regional Sul 2 da CNBB para que os valores sejam então aplicados.

O Secretário Executivo do Regional Sul 2, Padre Mário Spaki, destacou que a essência da evangelização, da missão em si, está neste percurso entre a disseminação da ideia para os catequizandos, passando por seus familiares e amigos até chegar novamente ao ponto de partida que é de onde os recursos arrecadados serão aplicados.

Neste ínterim, no processo em si, Padre Mário evidencia que todas as mídias, com destaque para as redes sociais, serão utilizadas para que os trabalhos surtam efeitos. “Arrecadar as bíblias puro e simplesmente, seria muito fácil. Uma pessoa ou empresa poderia, através de doação, fazer isto. Mas não é o que queremos. Nós precisamos sim, desta partilha durante o processo. Precisamos que todos conheçam os trabalhos que estão sendo desenvolvidos na Guiné Bissau, sobretudo na Diocese de Bafatá que é onde trabalha o Bispo brasileiro, Dom Carlos Pedro Zilli, que foi quem idealizou este projeto e nos pediu ajuda”, detalhou Padre Mário.

Durante a Escola Catequética, após a apresentação deste projeto, o interesse dos participantes ficou bastante aguçado, segundo o Padre e Coordenador da Catequese da Diocese de Guarapuava, Adriano Toczek. Ele também contou que os outros temas trabalhados possibilitaram uma soma de conhecimentos, tornando os participantes aptos a disseminar as ideias em suas comunidades de forma dinâmica, sem perder o verdadeiro foco Cristão. “Os trabalhos foram muito intensos nestes três dias, mas valeu a pena. Tivemos muitas palestras, troca de experiências e apresentações de projetos. Foi fantástica a apresentação do projeto ‘Missão Palavra e Pão’ do Regional Sul 2, que visa arrecadar as vinte mil bíblias para a Guiné Bissau. Também falamos muito sobre metodologia e como aplicar estes pontos de estudos adequando-os às realidades das comunidades”, detalhou Adriano.

O coordenador da Pastoral da Comunicação (Pascom) e diretor da Central Cultura de Comunicação, Jorge Teles dos Passos, proferiu uma palestra durante o evento no sentido de instigar os Catequistas quanto aos trabalhos com os catequizandos. Jorge também destacou a presença e a importância da internet na vida dos adolescentes e jovens e abordou, de forma provocativa, temas relacionados às redes sociais e ao universo cibernético, algo normal para as crianças, adolescentes e jovens, mas ainda de difícil entendimento por parte de alguns catequistas. “Representando a Pascom, minha conversa com o pessoal da catequese foi mais uma provocação do que formação. Mais perguntas do que conceitos. Muitas vezes colocamos mais ‘minhoca na cabeça das pessoas’ do que levamos respostas prontas. Mas vejo que isso é importante e contribui para que haja uma reflexão sobre comunicação e Catequese. Os catequizandos, jovens e crianças, na sua maioria, já nasceram nesta ‘era digital’. Eles dominam como ninguém as novas tecnologias, as redes sociais, uma linguagem diferente. Será que conhecemos esses catequizandos? Sabemos o que eles consomem em termos de informação? Estamos nós [catequistas] atualizados com isso? De que maneira temos que nos comunicar para estarmos ‘no nível deles’? Estamos ajudando essas crianças e jovens a terem uma consciência crítica a respeito da comunicação e dos meios de comunicação? Também sugeri que haja uma aproximação entre catequese e Pascom e entre os meios de comunicação que possuímos. São provocações que irão render ainda muita discussão e trabalho”, abordou Jorge.

A psicóloga Maria de Lourdes do Carmo que atua junto à Diocese de Guarapuava, classificou como “muito proveitosa” sua participação junto aos catequistas. Ela contou que os participantes estavam muito atentos ao assunto e fizeram muitos questionamentos. Maria do Carmo trabalhou os temas: “Pessoa Humana” e “Eu e o Outro”. “Senti o grupo muito afinado, aberto ao diálogo e ao questionamento. Foi importantíssimo este contato que tivemos. Espero que nos próximos encontros, possamos manter o mesmo nível de trabalho, pois é muito gratificante”, discorreu.

Além de Maria do Carmo, a também psicóloga Daniella Alessi Zevenez trabalhou com os catequistas e abordou o tema: “Psicopedagogia da Fé”.

A Escola Catequética da Diocese de Guarapuava será dividida em três etapas. A segunda acontece na última semana de fevereiro e a última, no mês de julho. Todas as etapas serão no mesmo local, a Casa de Formação São José, no município de Pitanga.

Diopuava

Foto: Vanessa Paula

LITURGIA DIÁRIA

Últimos Posts