quarta-feira, 28 fevereiro 2024

Testemunho contado ao Papa Francisco em Manila

papaMeu nome é Jun Chura, tenho 14 anos e até pouco tempo era uma criança de rua. Minha família não teve condições de me mandar à escola e, por isso, eu saí de casa e os abandonei. Eu me alimentava com aquilo que encontrava no lixo. Não sabia para onde ir e dormia nas calçadas. Buscava pedaços de papelão para fazer uma cama. Eu tentava superar isso, mesmo se meu corpo estivesse tão sujo assim como os das outras crianças.

Não sabia como encontrar comida e dia após dia eu ficava esperando que alguém terminasse de comer num restaurante e pedia as sobras. Às vezes, vagava em busca de algum material que pudesse vender: garrafas plásticas ou papeis. Vendia para conseguir algum dinheiro para poder comer. Também batia nas portas das casas pedindo comida, mas nem sempre eles tinham pra me dar.

Enquanto estive nas ruas vi coisas que não gostei. Coisas terríveis que aconteceram às crianças. Vi as crianças sendo ensinadas a roubar e a matar. Também vi crianças que eram ensinadas a usar drogas.  Via muitas crianças serem enganadas pelos adultos. Os adultos se aproximavam com dinheiro como se fosse para que pudessem comer, ou estudar, mas, na verdade, queriam desfrutar as crianças, como serviços domésticos e até mesmo abuso sexual. São tantos os abusos que acontecem nas ruas!

Depois de um período nas ruas, de repente reencontrei a esperança. Um educador das ruas de uma fundação me perguntou se eu queria participar do seu trabalho de ajuda às crianças que vivem nas ruas. Após ter certeza do trabalho que a fundação fazia, vi que nem todas as pessoas não têm coração. Ainda há pessoas com o coração pronto para ajudar as crianças em necessidade. Quando eu comecei a participar, comecei a sonhar novamente. Prometi a mim mesmo que quando eu terminar os meus estudos, vou ajudar outras crianças de rua. Assim também poderei ajudar minha família e a fundação, que me apoia nos estudos, assim como continua apoiando as outras crianças de rua.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.