História do Regional

1. Fundação e Presidência

O Regional Sul 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, abrangendo o Estado do Paraná e com sede em Curitiba, foi fundado em 1964, na terceira fase do Concílio Vaticano II.

Foi seu primeiro presidente Dom Jaime Luís Coelho, Arcebispo de Maringá. Seis meses depois, Dom Jaime Luís Coelho pediu demissão do cargo, alegando a distância de Curitiba. Ficou então presidente Dom Manoel da Silveira D’Elboux, Arcebispo de Curitiba.

A 20 de janeiro de 1967, Dom Pedro Fedalto, Bispo auxiliar de Curitiba, foi escolhido Sub-Secretário e em 1968, Presidente, cargo que ocupou até 1995. Em abril de 1995, Dom Murilo Krieger, Bispo Diocesano de Ponta Grossa foi eleito Presidente do Regional e permaneceu no cargo até março de 2002, quando foi nomeado Arcebispo de Florianópolis. Foi eleito então, como 5° Presidente do Regional, Dom Lúcio Ignácio Baumgaertner, Arcebispo de Cascavel.

A 26 de março de 2007, Dom Moacyr José Vitti, Arcebispo de Curitiba foi eleito Presidente do Regional Sul.

A 15 de março de 2011, de acordo com o regulamento da CNBB e o regimento do Regional Sul 2, foi eleita a atual presidência, que ficou assim definida: Presidente: Dom João Bosco Barbosa de Sousa, bispo de União da Vitória; Vice-Presidente: Dom Mauro Aparecido dos Santos, Arcebispo de Cascavel e Secretário: Dom Rafael Biernaski, bispo auxiliar de Curitiba.

2. Planos Pastorais

Logo após o Concílio Vaticano II, a Exemplo da CNBB, que lançou em âmbito Nacional o primeiro plano de Pastoral, O Regional Sul 2 também elaborou seus planos de pastoral:

1º Plano – (1967 – 1970). O primeiro plano regional de Pastoral de Conjunto foi apresentado por Dom Manoel da Silveira D’Elboux, Presidente do Regional Sul 2. Foram escolhidas três prioridades, com a vigência de quatro anos: a Ação Catequética, a Liturgia e o Apostolado dos Leigos.

2º Plano – (1971 – 1972) retoma as mesmas prioridades: Ação Catequética, Liturgia e dos Leigos.

3º Plano – (1973 – 1975) teve como prioridade: Realizar a Igreja Particular, dentro das seis dimensões: unidade, evangelização (missão) catequese, liturgia, ecumenismo, inserção e promoção.

4º Plano – (1976 – 1978) procurou apresentar a realidade da Igreja do Paraná.

5º Plano – (1979 – 1980) teve como prioridade Realizar a Igreja na base.

6º Plano – (1980 – 1983) retoma o último tema: Evangelizar realizando a Igreja na Base: Família, Comunidades Eclesiais de Base e Paróquias em renovação.

7º Plano – (1984 – 1987) enfatizou um objetivo geral no Regional Sul 2: Evangelizar, num processo permanente de conversão, participação e comunhão o povo no Paraná, visando a construção de uma sociedade mais justa, fraterna e reconciliada com Deus.

3. Diretrizes Regionais da Ação Pastoral

Depois de sete planos em vinte anos de caminhada, o Regional Sul 2 optou por Diretrizes Regionais com destaques, em lugar de um plano com prioridades. Constatou-se que as dioceses estavam capacitadas a elaborar seus próprios planos, com prioridades, cabendo ao Regional apresentar as Diretrizes Gerais.

1988-1991 – Em 12 de outubro de 1987, Dom Pedro Fedalto assinou o documento que iniciaria a nova fase da Ação Pastoral da Igreja no Paraná. A exemplo da CNBB Nacional, o Regional Sul 2 formulou as “Diretrizes Regionais da Ação Pastoral da Igreja no Paraná”, para o quadriênio 1988-1991, que teve como objetivo: “Evangelizar o povo do Paraná, em processo de transformação social, econômica, política e cultural, anunciando a plena verdade sobre Jesus Cristo, a Igreja e o Homem, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, pela libertação integral do homem, numa crescente participação e comunhão, visando formar o povo de Deus e participar da construção de uma sociedade justa e fraterna, sinal do reino definitivo”.

Para o quadriênio foram elaborados dois planos bienais, tendo como destaques: a Pastoral Familiar, a Pastoral da Juventude e os Meios de Comunicação Social. Foram, também, definidas as justificativas, os objetivos, as diretrizes e o planejamento de cada pastoral e organismo do Regional.

1992-1995 – Terminada a vigência do 2° Plano Bienal (1990-1991), o Conselho Regional de Pastoral decidiu substituir os Planos Bienais por um “Plano das Pastorais e organismos Eclesiais do Regional Sul 2” com a mesma vigência das Diretrizes, ou seja, por quatro anos.

Foi decidido assumir no Paraná o objetivo da ação pastoral da igreja no Brasil, adotando-o como princípio inspirador de toda caminhada pastoral do Regional Sul 2, em todos os seus níveis. O apelo foi extensivo a todas as pastorais, organismos, movimentos e associações religiosas. Todos deveriam aplicar o Objetivo Geral da CNBB, em vista da Nova Evangelização com novo ardor, novo método e novas expressões.

Nestas diretrizes, foi solicitado às lideranças regionais que assumissem uma atitude crítica diante das novas situações e mudanças, oriundas do processo de modernização e advindas do capitalismo neo-liberal. De igual forma, que reconhecessem os valores da religiosidade popular, descentralizasse a paróquia, valorizasse os ministérios, investisse no primeiro anúncio, discernisse, valorizasse e acompanhasse a emergência dos novos agentes, chamados “Novos Sujeitos Históricos” e que se investisse no compromisso missionário.

4. A Igreja do Paraná Rumo ao Novo Milênio

1996-2000 – Iluminados pelas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (1995-1998), pela Carta Apostólica Tertio Millennio Adveniente e pelo Projeto Rumo ao Novo Milênio, da CNBB, o Regional preparou suas diretrizes e projetos para o quinquênio que culminaria no grande Jubileu do Ano 2000. De igual forma, foi assumido o objetivo geral da CNBB, o projeto Rumo ao Novo Milênio e foram estabelecidas diretrizes para cada uma das quatro exigências da evangelização: testemunho, serviço, diálogo e anúncio.

No campo do testemunho, o Regional definiu investir na formação bíblica; nas famílias excluídas; na valorização da diversidade cultural no Paraná; na liturgia e na comunhão entre as dioceses e as forças vivas da Igreja. No campo do serviço foram tomadas as seguintes resoluções: resgatar o sentido do compromisso do batismo; formação do adolescente e do jovem; valorização da família e ação solidária. Quanto ao diálogo, viu-se a necessidade de um trabalho ecumênico mais eficaz e no diálogo com a cultura moderna. No campo do anúncio foram definidas as seguintes prioridades: formação de missionários leigos; valorização das devoções populares; incentivo ao clero para assumir o Projeto Rumo ao Novo Milênio e a valorização do dia de Pentecostes como festa de toda a Igreja e não só de movimentos eclesiais.

2001-2003 – O Regional Sul 2 assumiu o Projeto de Evangelização “Ser Igreja no Novo Milênio” (SINM), aprovado pelos bispos do Brasil em 2001. Em conformidade com a CNBB, reafirmou o objetivo geral da Ação Evangelizadora e aplicou o projeto SINM em todos os seus âmbitos: nos planos e projetos pastorais das dioceses, paróquias e escolas de formação; na caminhada das pastorais, organismos, movimentos eclesiais e associações e nos subsídios produzidos.

Em seu documento “Diretrizes das Pastorais e Organismos” assumiu, ainda, os seguintes destaques: continuidade ao processo desencadeado pelas Santas Missões Populares; fortalecimento e organização das pastorais sociais e compromisso social do Regional; formação dos coordenadores da Ação Evangelizadora; unidade na formação presbiteral; atenção aos desafios e paradigmas do Novo Milênio; projeto Igrejas Solidárias, Paraná – Moçambique; valorização da Festa de Nossa Senhora do Rocio, Padroeira do Paraná.

2004-2007 – O Regional Sul 2 da CNBB, na Assembleia do Povo de Deus em setembro de 2003, reassumiu o compromisso de evangelizar seguindo as Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora e o Projeto “Queremos Ver Jesus”, com as devidas aplicações para a realidade da Igreja no Paraná.

2009-2011 – Respondendo aos apelos do Documento de Aparecida e das Diretrizes da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil, que impelem a uma renovação das estruturas e um novo vigor missionário, o Regional Sul 2 da CNBB, na Assembleia do Povo de Deus, realizada em setembro de 2008, fez a aplicação desses anseios à nossa Igreja Paranaense e definiu a prioridade e as linhas de ação.

2011-2015 – O Regional Sul 2, para concretizar o objetivo geral da CNBB que é “Evangelizar, a partir de Jesus Cristo e na força do Espírito Santo, como Igreja discípula, missionária e profética, alimentada pela palavra de Deus e pela Eucaristia, à luz da evangélica opção preferencial pelos pobres, para que todos tenham vida (Jo 10,10), rumo ao Reino definido”, optou pela Renovação Paroquial: por uma paróquia discípula, missionária e profética.

5. Principais eventos

Elencamos, a seguir, algumas das principais atividades desenvolvidas ao longo da existência do Regional:

1) Em 1953, no Centenário da emancipação política do Estado, Dom Manuel da Silveira D’Elboux, Arcebispo de Curitiba, iniciou a campanha para a proclamação de Nossa Senhora do Rocio, Padroeira do Paraná.

2) 1954-1955 – Peregrinação da imagem de Nossa Senhora do Rocio por todo o Norte do Estado, Oeste e Arquidiocese de Curitiba.

3) 1960 – Congresso Eucarístico Nacional em Curitiba.

4) 1964 – Criação do Regional Sul 2 e sua instalação em 1965.

5) 1964 – Cruzada do Terço em família – Curitiba.

6) 1970 – Criada a província Eclesiástica de Londrina.

7) 1972 – Instalação jurídica da CNBB, Regional Sul 2.

8) 30 de julho de 1977 – S.S. o Papa Paulo VI declara Nossa Senhora do Rocio, Padroeira do Paraná.

9) 1979 – Criadas as Províncias Eclesiásticas de Cascavel e Maringá.

10) 1982 – Compra da sede do Secretariado Regional, Rua Paula Gomes, 733, Curitiba, PR.

11) 1985 – Início das Romarias da Terra no Paraná.

12) 1989 – 1995 – Projeto igrejas Irmãs, Paraná e Rondônia e Mato Grosso.

13) 1996 – Início da Escola Fé e Política.

14) 1997-1999 – Peregrinação da imagem de Nossa Senhora do Rocio nos 399 municípios do Estado.

15) 1998 – Inauguração da nova sede do Regional, Rua Saldanha Marinho, 1266, Curitiba.

16) 1999 – Inaugurado o Projeto Solidário Paraná – Moçambique, diocese de Guruè.

17) Novembro de 1999 – Concentração Mariana no Santuário Estadual de Nossa Senhora do Rocio em Paranaguá, inauguração da Praça da Fé e início do processo de revitalização do Santuário Estadual e da formação do Centro Mariano.

18) 26 de novembro de 2000 – Concentração do Povo de Deus do Paraná, em Foz do Iguaçu, por ocasião do Jubileu dos 2000 anos do nascimento de Jesus.

19) Ano 2000 – O Paraná torna-se o primeiro Regional da CNBB a oficializar a Pastoral do Surdo e a Pastoral da Cultura.

20) 2001 – Início do processo de inovações tecnológicas no campo da evangelização pela Internet.

21) 19 de dezembro de 2002 – Celebração Eucarística do início das comemorações dos 150 anos de emancipação política do Estado. Lançado o projeto da publicação da “História da Igreja no Paraná”.

22) 2012 – O Regional Sul 2, através do Conselho Missionário Regional (COMIRE) estreitou contatos com a Diocese de Bafatá em Guiné Bissau. A pedido de Dom Pedro Zilli, bispo de Bafatá, o Regional assumiu o compromisso de abrir uma nova região de missão onde serão construídos uma Igreja, uma Casa para Missionários (e, em seguida, o envio de missionários), um Centro de Saúde, uma Escola. Enquanto estão sendo levantados recursos para a edificação dessas construções, a Igreja do Regional tem contribuído financeiramente através da Catequese e do COMIRE com aquela Igreja Particular.

6. Pronunciamentos dos Bispos do Paraná

Fiéis ao seu compromisso de Pastores do Povo de Deus, os Bispos do Paraná, atentos à necessidade de cada momento, fizeram os seguintes pronunciamentos:

1992 – Carta dos Bispos do Paraná às Pastorais e aos Movimentos da Igreja.

1994 – Carta aos presbíteros sobre Liturgia.

1995 – Ano 2000, Medo ou Esperança.

1997 – Carta aberta da Presidência da CNBB, Regional Sul 2 (questão da terra).

1998 – Declaração dos Bispos da CNBB, Regional Sul 2, sobre a participação político partidária de Presbíteros.

1999 – Orientações para o Conselho Regional de Pastoral.

1999 – Apelo dos Bispos do Paraná (ao Governo e MST).

2000 – Nota da Presidência da CNBB, Regional Sul 2 (violência no campo e necessidade da Reforma Agrária).

2000 – Ensino Religioso Escolar na Rede Pública do Ensino no Estado do Paraná.

2000 – Governo e Servidores Públicos – Declaração da Presidência da CNBB, Regional Sul 2.

2001 – Nota dos Bispos do Paraná a respeito da COPEL.

7. Publicações

O Secretariado Regional vem publicando, ao longo dos anos, uma série de documentos e subsídios. Entre todos, destacamos os principais, a saber:

7.1 Planos Bienais (de 1973 a 1987)

7.2 Diretrizes regionais da Ação Pastoral da Igreja no Paraná (1988-91)

7.3 Planos Bienais (de 1988 a 1991)

7.4 Objetivos, Diretrizes da Ação Pastoral (1992-95)

7.5 A Igreja do Paraná Rumo ao Novo Milênio (1996-2000) – Doc. da CNBB, Sul 2, n° 1

7.6 Diretrizes das Pastorais e Organismos – SINM (2001-2003) – Doc. da CNBB, Sul 2, n° 3

7.7 Pronunciamentos – Doc. da CNBB, Sul 2 n° 2

7.8 Diretrizes para a Pastoral Vocacional e para a Formação de Presbíteros no Paraná

7.9 Subsídio Integrado (publicado anualmente até 2011)

7.10 Cartilhas de Orientação Política (publicada nos anos de eleições)

7.10 Novena de Natal – Volume 1 (publicação anual)

7.11 Campanha da Fraternidade – Volume 2 – (publicação anual)

7.12 Roteiro para encontros do Tempo Comum – Volume 3 (publicação anual)

7.11 Kit Ano da Fé em 2013

8. Formação

Para colaborar no processo formativo de seus agentes de pastoral, o Regional instituiu os seguintes meios de formação:

8.1 Escola Catequética

8.2 Escola Fé e Política

8.3 Escola de Libras

8.4 Simpósios e Seminários Fé e Cultura